parintins, garantido, caprichoso, pajé, sinhazinha, cunhã poranga, cunhaporanga, tuxáua, bumbódromo, curupira, toada, juma, marujada, batucada, cobra grande, formiga do fogo, sateré, parintintin, tucandeira

 
 
 
 
parintins, garantido, caprichoso, pajé, sinhazinha, cunhã poranga, cunhaporanga, tuxáua, bumbódromo, curupira, toada, juma, marujada, batucada, cobra grande, formiga do fogo, sateré, parintintin, tucandeira

Parintins, uma cidade pacata na ilha Tupinambarana, no meio da selva amazônica, é habitada por um povo talentoso. O festival folclórico apresenta a um só tempo: mitos, contos e lendas, através de figuras, carros alegóricos, bonecos gigantes, tudo isso acompanhado das palavras do apresentador, que vai narrando cada detalhe em todas as apresentações. O som contagiante, um batuque sob o comando de maestros; o acompanhamento, animação e coreografia da “galera” completam o quadro.

Nele desfilam figuras extraídas do conto do “Boi” Bumbá. O personagem principal é o “Boi”, representado por uma armação coberta de pano – branco, com o coração vermelho, no caso do “Boi” Garantido e, preto com a estrela azul, no caso do “Boi” Caprichoso -, com um homem – que recebe o nome de tripa - nome carinhoso dado à pessoa que tem a honra de vestir a fantasia do “Boi”, dançando em seu interior. Os vaqueiros, personagens do conto original, Pai Francisco, Mãe Catirina, o Amo do “Boi” e a Sinhazinha. Juntos, eles conduzem o “Boi”, que é ferido e depois ressuscitado.

E, como Parintins já era habitada pelos índios maués, sapupés e parintintins (daí o nome da cidade) antes mesmo do conto e dos contadores de contos chegarem à ilha, novos personagens foram introduzidos à trama. O Pajé, que aparece em meio a algum ritual indígena, cuja história vai sendo contada pelo apresentador; a Cunhã-Poranga, que representa a beleza feminina, encantando os guerreiros da tribo; os Tuxauas, que representam a divindade e a sabedoria indígena.

Desfilam no “Bumbódromo” de Parintins, figuras lendárias, mitológicas, religiosas, além de personagens vindos da mitologia indígena: Iara, Curupira, Gigante Juma, São João, Cobra Grande, Formiga do Fogo, boto-cor-de-rosa etc.

A música adquire um tom peculiarmente indígena devido ao som das palminhas, dos maracás de lata, dos tambores. O ritmo, enriquecido pelo desfile da tribo indígena, da presença dos tuxáuas, tem a batida de uma dança indígena. As rixas, sempre presentes através das toadas de desafio, pontuam e levam a “galera” ao delírio.

Em Parintins o Bumba-meu-Boi expressa o agradecimento a São João pela graça recebida e como junho é o mês do Santo, este é o mês do festival. Como parte do ciclo de festas juninas, quando também são celebradas as festas a Santo Antonio e São Pedro. [Para mais informações recomendamos a leitura de: Folclore brasileiro, Nilza B. Megale, Editora Vozes; A ciência do folclore, Rossini Tavares de Lima, Editora Martins Fontes; Dicionário do folclore brasileiro, Luís da Câmara Cascudo, Editora Global.]

Próprio das festas nordestinas, o festival de Parintins apresenta-se com uma grande massa de figurantes, em torno de 3 mil “brincantes”, como são chamadas as pessoas que se apresentam durante o festival.

O xamanismo é uma cerimônia mística em que o xamã – feiticeiro com poderes sobrenaturais de cura, capaz de se comunicar com os espíritos e de fazer previsões, utilizando técnicas que o levam ao êxtase e neste momento ele entra num estado de transe e abandona o corpo. Item obrigatório (como a ala das baianas no carnaval), obriga os organizadores dos “Bois” a pesquisarem antes de iniciar os preparativos para o festival, pois o ritual deve ser baseado em trabalho de pesquisa e não pode perder o contexto folclórico. O Pajé e os Tuxauas algumas vezes são responsáveis pelo final feliz, ressuscitando o “Boi”. A “pajelança”, uma cerimônia xamãnística realizada para promover a cura, invoca a alma do bicho, que varia a cada ano (a cobra grande, por exemplo) e nele encarna para saber como dar a vida de volta ao “Boi”. Há a purificação local, cânticos e danças até que ele recebe a receita da cura.

O Festival folclórico de Parintins sofre as mudanças naturais, ocorridas ao longo dos anos, como o contato com a cultura indígena. Até o século XVIII as elites consideravam as manifestações populares, resultado da ignorância e do desconhecimento das artes e das ciências. [N.E.: ainda hoje vemos pessoas que pensam desta forma] Já no século XIX, estudiosos identificaram o encanto e espontaneidade destas manifestações, contrastando-se com o formalismo acadêmico. No entanto, um olhar atento pode acessar inúmeras informações, desde as mais antigas crenças religiosas até os sonhos e os temores próprios dos seres humanos, passando ainda pelos desejos políticos da população, sem esquecer também os fatos históricos.


 

a influência indígena dos Sataré-Mawé

parintins, garantido, caprichoso, pajé, sinhazinha, cunhã poranga, cunhaporanga, tuxáua, bumbódromo, curupira, toada, juma, marujada, batucada, cobra grande, formiga do fogo, sateré, parintintin, tucandeira

Não se pode falar no Festival de Parintins sem ao menos mencionar que o Festival de Parintins conta com forte influência e presença da figura indígena. Não somente as alegorias, os tuxauas, os rituais, as presenças do pajé e da cunhã-poranga, mas também o artesanato.

Os que habitam a TI - Terra Indígena: Andirá-Marau, próximo a: Parintins, Maués, Barreirinha, Itaituba e Aveiro, são chamados de Sateré-Mawé. Calcula-se algo em torno de 9 mil índios, se incluirmos as outras tribos da região. Alguns de seus rituais mítico-religiosos são conhecidos por aqueles que já assistiram o Festival Folclórico de Parintins. Quem nunca viu: a onça, a formiga, a lagarta... é porque ainda não esteve presente ao Festival.

Precursores do processo de beneficiamento do guaraná. Os homens são bilíngües: além da língua indígena, falam também o português. Mas, a maioria das mulheres fala somente a língua Sateré-Mawé. O ritual que marca a passagem do menino adolescente para se tornar um homem que será forte, caçador e livre de todos os males, acontece durante a “festa da tocandira”. Para quem não conhece, trata-se de uma formiga, cuja ferroada extremamente dolorosa, demora entre 12 e 24 horas para passar.

Organizados sob a autoridade do chefe da família, que orienta as atividades econômicas e quando precisa reforçar o contigente de trabalho, é ele que convida parentes e conhecidos. Um chefe pode passar a tuxaua, desde que ganhe prestígio pela generosidade, habilidade nas transações comerciais, entrosamento com os tuxauas mais próximos e com o tuxaua geral.

O tuxaua, autoridade máxima da tribo, é quem resolve conflitos, convoca reuniões, marca festas e rituais, orienta as atividades agrícolas, manda construir casas, hospeda visitantes. A demonstração de sua generosidade se dá com o cerimonial do “çapó” – nome dado ao preparo do guaraná ralado na água que se transforma em uma bebida consumida abundantemente. Se você comparecer a um destes cerimoniais, saiba que não pode deixar de ingerir a bebida - seria uma ofensa. Além disso, a bebida vai passando de mão em mão, todos vão sorvendo o líquido e o último gole sempre é do tuxaua. Então, tome cuidado para deixar sempre o suficiente, até que de mão em mão, todos possam beber um pouco, deixando o final para o grande chefe.

      Texto: Sheila Cirigola